Filiado à

Piso do Magistério 2021 | A cada dia fica mais evidente o calote do governo federal

Piso do Magistério 2021 | A cada dia fica mais evidente o calote do governo federal 1

Em dezembro de 2020, a CNTE denunciou o calote que o Governo Bolsonaro aplicou na política de reajuste do piso salarial profissional nacional do magistério público de nível básico, vinculada à previsão de custo per capita anual da etapa do ensino fundamental urbano do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB.

À luz do parecer da Advocacia Geral da União, desde 2010, os percentuais de reajuste do piso do magistério são definidos com base no crescimento percentual dos custos per capita do FUNDEB de dois anos anteriores. Sendo que, para 2021, deveria ser aplicado o crescimento percentual do valor anual mínimo nacional por aluno entre 2019 e 2020. E até novembro de 2020, a atualização do piso estava prevista em 5,89%, quando, ficticiamente, o governo federal editou uma portaria rebaixando o custo aluno do FUNDEB daquele ano. Com isso, a previsão de reajuste do piso do magistério ficou nula (0%).

Essa ação condenável do MEC e do Ministério da Economia, responsáveis pela edição da Portaria Interministerial nº 3, de 25.11.2020, foi contestada à época pela CNTE, que apresentou dados da Secretaria do Tesouro Nacional demonstrando não ter ocorrido queda na arrecadação do FUNDEB até novembro de 2020. E as previsões para dezembro do ano passado também apontavam estabilidade nas receitas.

A publicação da nova Portaria Interministerial nº 1, de 31 de março de 2021, apenas comprovou a denúncia da CNTE de calote do MEC/Fazenda. O Valor Aluno Ano para o Ensino Fundamental Urbano (VAAF) do FUNDEB, em 2021, foi projetado em R$ 3.768,22, representando crescimento de 3,43% em relação à primeira estimativa do custo per capita de 2020 (R$ 3.643,16) e 12,5% em comparação ao custo fictício fixado em novembro de 2020 (R$ 3.349,56). Em relação ao custo aluno previsto para 2019 (R$ 3.440,29), o crescimento foi de 9,53%. Ou seja, em nenhum momento ficou provada a queda na expectativa de receitas do FUNDEB, pelo contrário, houve crescimento dessa rubrica.

As portarias publicadas até o momento não permitem estimar com exatidão qual o percentual de reajuste do piso do magistério em 2021. Até o fim de abril o MEC e o Ministério da Fazenda devem divulgar os custos consolidados do FUNDEB de 2020, momento em que saberemos ao certo quais foram as receitas e os custos do Fundo ano passado.

Estaremos atentos a essa publicação e iremos cobrá-la judicialmente, se necessário. Isto porque não consta no sítio eletrônico do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE o balanço consolidado do FUNDEB de 2019.

Caso a denúncia da CNTE seja cabalmente confirmada, e o MEC não reveja a pedalada (calote) aplicada através da Portaria Interministerial nº 3, de 25.11.2020, informamos de antemão que a Entidade cobrará na justiça o reajuste retroativo a janeiro do presente ano. Também será requerida judicialmente a declaração de validade da lei 11.738, a qual regulamenta o piso do magistério previsto em mais de um dispositivo constitucional, uma vez que alguns gestores, de maneira oportunista e descabida, tentam questionar a vigência da Lei após a aprovação da emenda constitucional 108.

O magistério público brasileiro exige respeito e valorização!

Brasília, 15 de abril de 2021

Diretoria da CNTE

TEMOS QUE ELEGER PESSOAS COM VISÃO FUTURISTA E POPULAR

TEMOS QUE ELEGER PESSOAS COM VISÃO FUTURISTA E POPULAR 2

Petrônio Filho

Um dos grandes pecados, se não o maior, de um administrador é não sentir os problemas dos seus dirigidos. Isso serve para o poder público e para empresas. Outro grave problema é a falta de conhecimentos sobre como deve ser implementada uma boa administração.

O nosso país tem baixa qualidade de ensino e de leitura. Isso acarreta dificuldades para que os brasileiros tenham melhores condições de analisar os nossos problemas, como resolvê-los e diferenciar melhor os candidatos aos cargos eletivos. A grande maioria tem perfil conservador, o que os impede de visualizar ações futuristas, provocando um atraso institucional e construtivo.

A sociedade necessita de pessoas com visão de futuro, com base em ESTUDOS CIENTÍFICOS, além de possuírem uma EMPATIA COM O POVO. Claro que o dirigente não precisa saber de tudo, mas tem que ter essas qualidades. Unir o sentimento sobre as necessidades da população com ações baseadas em estudos é que vai possibilitar à nação um futuro bem melhor que essa realidade que aí está.

Como educadores, temos a obrigação de enxergarmos isso tudo. Temos a obrigação de adquirimos conhecimentos suficientes para termos uma visão melhor dos nossos problemas. Temos a obrigação de criarmos um espírito evoluído, com visão futurista e de apelo popular. Temos a obrigação de termos empatia com o povo, com as famílias mais humildes dos nossos alunos. Por fim, temos a obrigação de dar exemplos de boa conduta e de saber escolher os nossos dirigentes. Aqueles que comungam com a visão futurista e popular, para a construção de um país bem mais justo e mais humano.

NOTA DE REPÚDIO À FALA DA CIDADÃ RAYANNE DE PAULA

NOTA DE REPÚDIO À FALA DA CIDADÃ RAYANNE DE PAULA 3

O Sindicato dos Trabalhadores da Educação Básica de Três Lagoas e Selvíria vem a público repudiar veemente a fala da cidadã Rayanne de Paula, por meio de uma série de vídeos em seu Instagram, que nesta última segunda-feira (5) agrediu a nossa entidade sindical, que representa os profissionais da educação há mais de 42 anos no município de Três Lagoas.

Por meio desta nota pública, convidamos Rayanne de Paula para conhecer a nossa atuação na defesa dos direitos dos trabalhadores em educação e dos alunos da educação pública.

Também gostaríamos Rayanne, que você conhecesse a realidade de uma escola pública e comprovasse pessoalmente se existem condições de biossegurança, distanciamento, entre outros fatores, para que os profissionais da educação, crianças e adolescentes não se contaminem.

Além disso, agradecemos a “solidariedade”, “sensibilidade” e “empatia” que a senhora está tendo com a nossa categoria, no momento em que temos colegas indo a óbito e internados por conta da COVID-19, em um cenário de colapso do sistema hospitalar.

Números e curva de contágio, com certeza, não são importantes para você, pois nos chama de “preguiçosos”, “hipócritas” e nos acusa de não querer trabalhar e “mamar na teta” do governo municipal, sem ao menos saber que, de uma hora para outra, tivemos que virar “youtubers”, usar nossos celulares e computadores de casa, pois não temos tecnologia disponível nas escolas e CEIs para aulas remotas. Muitas vezes usamos nossas impressoras para levar atividades e provas para nossos alunos que se quer possuem acesso à internet, devido a sua condição social.

Queremos ressaltar também que, apesar de não sermos responsáveis  pela alimentação e proteção das  crianças, ainda sim nossos profissionais administrativos cumprem horário  nas unidades de ensino para distribuir kits de alimentação escolar durante a pandemia,  assim como nossos  professores, coordenadores, especialistas e diretores também estão disponíveis nas unidades para atendimento interno.

Nós também não gostaríamos de estar trabalhando remotamente, queríamos estar nas escolas, devidamente vacinados, que é o nosso lugar, com nossos alunos e rotina, porém somos educadores, defensores da ciência e seguimos firmemente o posicionamento das organizações de saúde.

O mundo está sofrendo o suficiente para, infelizmente, vermos pessoas negacionistas ofendendo milhares de trabalhadores em educação e crianças, que estão em uma só voz, pedindo pela vacinação para retomarem a sua rotina.

Antes de tirar conclusões precipitadas, conheça a realidade de nossas unidades de ensino e a nossa batalha constante por direitos. Saiba mais sobre como lutamos para termos as mínimas condições de ensinar os filhos dos trabalhadores de nosso município. Quando agride dessa forma uma categoria, responsável pela educação de uma sociedade é porque não conhece de fato o que é ensinar na rede pública e o que é batalhar constantemente por justiça social.

Para terminar, nosso trabalho é transparente, nosso sindicato está aberto para que venha nos conhecer e talvez, dessa forma, mudar sua opinião de “senso comum” e entender que a base da educação de uma nação é o respeito. #RespeiteOsProfissionaisDaEducação

EM DEFESA DA VIDA, TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO PARALISAM AS ATIVIDADES NESTA SEGUNDA-FEIRA (05)

EM DEFESA DA VIDA, TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO PARALISAM AS ATIVIDADES NESTA SEGUNDA-FEIRA (05) 4

O Mato Grosso do Sul está em alerta vermelho e vive um dos seus piores momentos da pandemia. Três Lagoas faz parte dos municípios mais contaminados do estado e somente nas últimas 24 horas, registramos 94 casos positivos e 04 óbitos neste domingo de páscoa (5/4). Nossas UTIs estão com mais de 100% de ocupação e já não há mais leitos em nosso município.

Mesmo com todos os indícios de que a pandemia poderia piorar, no início de março, recebemos a notícia do retorno das aulas presenciais na Rede Municipal de Ensino, de forma híbrida. O SINTED lutou incansavelmente para que o prefeito, Ângelo Guerreiro, acatasse o pedido dos trabalhadores da educação e interrompesse as aulas presenciais e retornasse para o modo remoto. Após muita luta, o prefeito determinou a suspensão das aulas presenciais, porém continuou exigindo que os profissionais continuassem comparecendo presencialmente nas unidades de ensino, o que não impede a proliferação do vírus.

Sendo assim, nossos Trabalhadores da Educação paralisaram as atividades nesta segunda-feira (5/4), em sinal de protesto ao decreto 166 que determina a suspensão das atividades presenciais apenas para os alunos por tempo indeterminado, e a CI Nº 354 da SEMEC que mantém a exigência do comparecimento presencial dos profissionais da educação no ápice da pandemia.

Durante este período difícil, perdemos seis profissionais da educação para a Covid-19, e continuaremos lutando para que este cenário não se repita. Por isso pedimos: vacina, ensino remoto 100% home office,  plantão dos administrativos (e reposição inflacionária) e diretores, já! Eu luto, você luta, nós lutamos por uma escola sem luto! #VacinaJá #UseMáscara #UseAlcoolEmGel #FiqueEmCasa #TrabalhadoresDaEducaçãoEmCasa

PARALISAÇÃO DA REDE MUNICIPAL EM DEFESA DA VIDA DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO

PARALISAÇÃO DA REDE MUNICIPAL EM DEFESA DA VIDA DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 5

Assim como a maioria das cidades do Brasil, Três Lagoas está em um dos seus piores momentos da pandemia. Somente no mês de março, registramos mais de 1.152 casos até o momento. Desde janeiro, em menos de três meses, já são 3.229 casos em 2021, ou seja, 42 novos casos confirmados a cada dia. Não bastasse isso, nossas UTIs estão lotadas e não há leitos para todos.

Mesmo com todos os indícios de que a pandemia poderia piorar, no início de março, recebemos a notícia do retorno das aulas presenciais na Rede Municipal de Ensino, de forma híbrida. O SINTED lutou incansavelmente para que o prefeito, Ângelo Guerreiro, acatasse o pedido dos trabalhadores da educação e interrompesse as aulas presenciais e retornasse para o modo remoto. Somente após duas semanas, o prefeito determinou a suspensão das aulas presenciais, porém continuou exigindo que os profissionais continuassem comparecendo presencialmente nas unidades de ensino, o que não impede a proliferação do vírus.

Vale ressaltar que durante este período presencial, 104 trabalhadores da educação estavam com suspeita ou/e testaram positivo para a Covid-19.

A suspensão das aulas presenciais foi uma conquista da categoria, porém, ainda assim, a Administração Municipal não se preocupou o suficiente com os profissionais da educação, que continuam se expondo ao vírus saindo de suas casas. O cálculo não bate. Se a prefeitura diz estar preocupada com nossos munícipes – lembrando que a categoria da Educação também faz parte dos cidadãos, senhor prefeito! – por que diante do pior cenário epidemiológico registrado desde o início da pandemia em 2020, profissionais da educação ainda precisam arriscar suas vidas? O sistema de saúde de Três Lagoas está colapsado e a própria prefeitura faz campanhas para que as pessoas fiquem em casa, restringindo os demais locais públicos, porém sempre há uma exceção com a Educação.

Nós, trabalhadores da educação, não podemos compactuar com decisões contraditórias da prefeitura. É preocupante a situação do nosso município, que já registrou 107 óbitos até o momento (25/3). Por isso, paralisaremos nossas atividades no dia 29 de março, em sinal de protesto ao Decreto 149, que manteve a exigência do comparecimento presencial dos trabalhadores da educação. Continuaremos lutando por nossas vidas.  

24 de março – Dia Nacional de Alerta em defesa da educação escolar básica pública e Lockdown pela Vida

24 de março - Dia Nacional de Alerta em defesa da educação escolar básica pública e Lockdown pela Vida 6

No próximo dia 24 de março a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e a FETEMS (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul) vão promover o Dia Nacional de Alerta em defesa da educação escolar básica pública e vai se somar ao Lockdown Nacional Fora Bolsonaro chamado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), centrais sindicais e movimentos sociais.


Nesta data a CNTE e a FETEMS vão fortalecer a campanha em defesa da vida, cobrar vacina para todos já, com prioridade para trabalhadores/as em educação e auxílio emergencial de R$ 600,00 até o fim da pandemia. Outro eixo das reivindicações é a luta contra a Reforma Administrativa do governo Bolsonaro – Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/20 – que pretende desvalorizar servidores/as e acabar com os serviços públicos, abrindo brechas para apadrinhamentos e corrupção, prejudicando a sociedade.


Os sindicatos filiados à CNTE vão realizar mobilizações virtuais, com o distanciamento necessário para conter a pandemia de Covid-19. Além disso, vão se somar ao Lockdown Nacional Fora Bolsonaro – Dia Nacional de Luta, em Defesa da Vida, da Vacina, do Emprego, do Auxílio Emergencial de R$ 600 – Lockdown da classe trabalhadora. 


A direção da Central Única dos Trabalhadores ressalta que a falta das políticas sanitárias e econômicas obriga a classe trabalhadora a ir para as ruas em busca de dinheiro para sobreviver e ,com isso, se aglomera nos locais de trabalho, no transporte coletivo, nas estações de trem e metrô e nos terminais e pontos de ônibus, ficando expostas à contaminação e morte. “A verdade é que Bolsonaro não liga para a vida dos brasileiros, para os trabalhadores, que são obrigados a pegar transporte público lotado, se expondo a Covid-19, por que não podem ficar em casa, senão passam fome, por falta de ajuda do governo federal”, critica a Secretária-Geral da CUT, Carmen Foro. No dia 24 haverá diversas ações e cada setor e categorias farão o seu protesto, com panfletagens nas praças, terminais de ônibus, trem e metrô, com o uso de carros de som; atos simbólicos; audiências públicas e uso de redes sociais.

(Com informações da CUT Brasil)

CNTE

AFASTAMENTO DE SERVIDORES NÃO É O REAL MOTIVO QUE OCASIONOU A SUSPENSÃO DAS AULAS PRESENCIAIS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO

AFASTAMENTO DE SERVIDORES NÃO É O REAL MOTIVO QUE OCASIONOU A SUSPENSÃO DAS AULAS PRESENCIAIS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO 7

Prefeito, essa conquista é da categoria!

A prefeitura Municipal de Três Lagoas publicou uma matéria no dia 15 de março de 2021 com a seguinte manchete “Afastamentos de servidores comprometem protocolo de segurança nas escolas e prefeito e secretários de TL decidem suspender aulas da Rede Municipal por 15 dias”.

Queremos reforçar que o afastamento de servidores não foi o real motivo que ocasionou a suspensão das aulas presenciais e sim o colapso no sistema hospitalar devido a proliferação do vírus nas escolas e CEIs que denunciávamos cotidianamente, acrescida a uma análise da conjuntura sanitária nacional, estadual e municipal. Segundo o boletim oficial epidemiológico publicado no dia 17 de março, as UTIs estão com 90% de ocupação, restando apenas quatro leitos na enfermaria e UTI pública. Na última terça-feira, nosso estado registrou 39 mortes, número recorde desde o início da pandemia.

O SINTED vem recebendo denúncias diariamente de educadores suspeitos e positivos por Covid-19. Só na Rede Municipal, confirmamos 35 casos, inclusive com casos de internação em UTI. A Secretaria Municipal de Saúde anunciou na última segunda-feira, 104 casos de profissionais afastados, número que condiz com o levantamento do nosso sindicato por meio das denúncias.

Elaine Fúrio, secretária de Saúde do Município, disse em entrevista para a matéria que os servidores “ainda estão como suspeitos, ou seja, não temos ainda confirmação, mas estamos juntos para que as crianças e servidores consigam estudar e trabalhar em um ambiente seguro”. Com esta fala, garantimos que esses 35 profissionais contaminados é um número grave e alarmante para um município, que até então estava restringindo locais públicos, com exceção da educação.

Sendo assim, o encerramento das aulas presenciais é o mínimo que a administração deveria fazer, depois da árdua luta dos profissionais da educação que estavam arriscando suas vidas e famílias por algo que poderia ser evitado, desde o início do ano letivo.

Portanto, imputar o afastamento dos servidores suspeitos e positivados soa como omissão dos fatos concretos e reais que decretaram a suspensão das aulas presenciais em nosso município. Continuamos e continuaremos lutando pela vida dos profissionais da educação e comunidade escolar.

#UseMáscara

#EviteAglomerações

#VacinaJá!

#Ensinoremoto

#RevezamentodosAdministrativos

SINTED FALA SOBRE A SUSPENSÃO DAS AULAS PRESENCIAIS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO

SINTED FALA SOBRE A SUSPENSÃO DAS AULAS PRESENCIAIS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO 8

O SINTED esteve ao vivo na rádio Difusora, na manhã de hoje (17/03), com a presidente Maria Diogo, para falar sobre a suspensão das aulas presenciais na Rede Municipal.

Após publicação do decreto Nº 149, as aulas presenciais da Rede Municipal estão suspensas a partir do dia 18 até o dia 31 de março. “Na fala do prefeito, percebemos que ele suspendeu, a princípio, por esses 15 dias porque a situação é caótica e eu acredito que haverá uma nova avaliação após esse prazo”, explica Maria Diogo, presidente do SINTED.

O SINTED se mobilizou e realizou várias ações defendendo o ensino remoto e revezamento dos administrativos. “Eu vejo que essa decisão de suspender as aulas presenciais foi coerente, mas só depois de muita luta dos trabalhadores da educação”.

Maria Diogo ressalta que participou da reunião do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 de Três Lagoas e afirma que as pessoas estavam sendo contraditórias, visto que enrijeceram as regras nos locais públicos do município, mas mantinham as aulas presenciais. “Um exemplo é a própria prefeitura municipal, que está fechada, atendendo individualmente. Por que a educação teria que continuar aberta?”, questiona.

A presidente finaliza com um recado para a população três-lagoense. “Evitem sair de casa, não colaborem com as aglomerações da cidade. Use máscara, álcool em gel e todos esses procedimentos que estamos cansados de ouvir. Se cuidem. Estamos no pior momento da pandemia”, finaliza.

SINTED FALA SOBRE A SUSPENSÃO DAS AULAS PRESENCIAIS NA REDE MUNICIPAL DE ENSINO 9

Participe da mobilização para derrubar vetos que impedem valorização da educação

Participe da mobilização para derrubar vetos que impedem valorização da educação 10

A votação dos vetos apostos à Lei 14.040 (veto 39/20) e ao parágrafo único do art. 7º da Lei 14.057 (veto 48/20) está prevista para a próxima quarta (17) no Congresso Nacional. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) convoca mobilização virtual para que deputados e senadores derrubem esses vetos, com envio de e-mails e ações nas redes sociais.

O veto 39/20 impede a União de promover junto com Estados e Municípios, o planejamento e a execução cooperativa de investimentos necessários para a oferta universal e com qualidade das aulas remotas durante a pandemia e, posteriormente, para o retorno presencial com segurança das atividades escolares.

Entre perdas tributárias e déficits nos orçamentos educacionais dos entes subnacionais, são estimados investimentos necessários na ordem de R$ 32 bilhões para garantir o direito à educação para todos, durante e após a pandemia. Esses recursos se voltam, prioritariamente, às ações de acesso a internet para estudantes e trabalhadores em educação, formação continuada de educadores/as voltadas para atividades não presenciais, adaptações das escolas para o “novo normal” presencial, aquisição permanente de EPIs e demais insumos para testagem em massa e acompanhamento de casos de Covid-19 nas comunidades escolares, entre outras.

O veto aposto ao parágrafo único do art. 7º da Lei 14.057 (veto 48/20), inviabiliza a correta distribuição dos recursos oriundos de precatórios do antigo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização dos Profissionais do Magistério – Fundef. Tanto a Emenda Constitucional nº 14/1996 quanto a lei regulamentadora (Lei 9.424) previam a subvinculação de 60% do Fundef para pagamento aos profissionais do magistério, e é preciso garantir essas prerrogativas nos acordos estipulados pela Lei 14.057.

A justificativa do veto, na qual o Tribunal de Contas da União não autoriza o referido repasse aos profissionais da educação, não encontra nenhuma base jurídico-legal a partir do momento em que o dispositivo da Lei 14.057 for mantido pelo Congresso. Além de segurança jurídica, o Congresso Nacional garantirá justiça à distribuição dos recursos que deixaram de ser repassados a quase 1 (um) milhão de educadores/as das escolas públicas por ocasião da vigência plena do Fundef (1997-2006).

Campanha

A mobilização virtual conta com envio de mensagens aos parlamentares via e-mail e redes sociais além do tuitaço marcado para o dia 17 de março às 10h com a hashtag #DefendaAeducação. Para participar do tuitaço é só entrar na rede social Twitter e publicar mensagens no horário combinado e com a hashtag da campanha. Para a mobilização nas demais redes, é só baixar os cards e enviar as mensagens para os e-mails de deputados e senadores, além de marcá-los nas demais redes sociais.

CNTE

VITÓRIA DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO DA REDE MUNICIPAL DE TRÊS LAGOAS!

VITÓRIA DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO DA REDE MUNICIPAL DE TRÊS LAGOAS! 11

Na contramão das organizações de saúde, poder público municipal mantinha aulas e estava colocando em risco a vida dos trabalhadores, alunos e familiares.

Nós, do Sinted de Três Lagoas e Selvíria, estamos aliviados com a decisão do prefeito Ângelo Guerreiro, que publicou um vídeo, na tarde desta segunda-feira, suspendendo as aulas presenciais a partir do dia 18/03. Essa conquista com certeza foi fruto da nossa mobilização, pressão e denúncia da situação de contágio que estávamos expostos nas escolas públicas.

Para conter o avanço da pandemia da Covid-19 em Mato Grosso do Sul, o governo do estado publicou um decreto no último dia 10, com medidas mais restritivas. A medida prorroga a suspensão das aulas presenciais nas unidades escolares e nos centros da Rede Estadual de Ensino de MS e recomenda aos municípios a adoção da mesma medida.

Nós estamos vivendo um tempo de extrema dificuldade. A todo o momento é anunciado pela imprensa que o estado todo está em alerta vermelho, os hospitais estão lotados e que há filas para as UTIs, por isso nos mobilizamos na imprensa, com carro de som, lives, redes sociais e denunciamos o descaso que estávamos passando em nossa cidade.

Aos trabalhadores em educação, crianças e familiares que foram infectados neste período em que as escolas ficaram abertas, nós desejamos plena recuperação e também reforçamos que queremos voltar às aulas, sim, mas com VACINAÇÃO e SEGURANÇA!

Queremos sobreviver e retomar nossa ROTINA com TOTAL SEGURANÇA e RESPONSABILIDADE!

#usemáscara #fiqueemcasa #usealcoolemgel