Filiado à

RESULTADO ELEIÇÕES FETEMS – QUADRIÊNIO 2021/2025

RESULTADO ELEIÇÕES FETEMS – QUADRIÊNIO 2021/2025 1

RESULTADO ELEIÇÕES FETEMS – QUADRIÊNIO 2021/2025

Deliberação n. 002/2021 – Comissão Eleitoral Central

A Comissão Eleitoral central para as eleições da FETEMS – quadriênio 2021/2025, reunida na sede da FETEMS, no dia 17 de maio de 2021, resolve:

  1. Fica homologada a eleição da Chapa 01 – FETEMS FORTE com 8.309 (oito mil, trezentos e nove votos;
  2. Ficam homologadas as candidaturas a vice-presidentes regionais e respectivos suplentes, sendo:

Regional de Amambai – 234 votos;

Regional de Aquidauana – 572 votos;

Regional de Campo Grande – 1.258 votos;

Regional de Corumbá – 182 votos;

Regional de Coxim – 425 votos;

Regional de Dourados – 1.050 votos;

Regional de Fátima do Sul – 382 votos;

Regional de Jardim – 622 votos;

Regional de Naviraí – 417 votos;

Regional de Nova Andradina – 873 votos;

Regional de Paranaíba – 863 votos;

Regional de Ponta Porã – 417 votos;

Regional de Tacuru – 195 votos;

Regional de Três Lagoas – 560 votos.

  1. Serão divulgados no site da FETEMS e publicado em jornal de circulação estadual a presente homologação, com todos os integrantes da chapa eleita e os respectivos vice-presidentes regionais.

Campo grande, 17 de junho de 2021.

SOLANGE FERREIRA LOPES

EDITAL DE HOMOLOGAÇÃO

A Comissão eleitoral Central homologa e torna pública a eleição da chapa 01 – FETEMS FORTE para a Diretoria Estadual da FETEMS – quadriênio 2021/2025

Campo Grande, 17 de junho de 2021.

CHAPA 01 – FETEMS FORTE

  • Jaime Teixeira
  • Deumeires Batista de Souza Rodrigues de Morais

Secretaria Geral: Ana Maria de Oliveira

Secretaria Adjunta: Fernando Fernandes Rodrigues

Secretaria de Finanças: José Remijo Perecin

Secretaria Adjunta de Finanças: Francisco Tavares da Cunha

Secretaria para Assuntos Jurídicos: Maria Aparecida Diogo

Secretaria de Formação Sindical: Onivan Lima Corrêa

Secretaria de Assuntos Educacionais: Sueli Veiga Mello

Secretaria dos Funcionários Administrativos: Idalina Silva

Secretaria de Comunicação: Ademir Cerri

Secretaria de Administração e Patrimônio: Paulo Cesar Lima

Secretaria de Política Municipal: Ademar Plácido da Rosa

Secretaria de Políticas Sociais: Gilvano Kunzler Bronzoni

Secretaria dos Aposentados e Assuntos Previdenciários: Olinda Conceição da Silva

Secretaria dos Especialistas em Educação e Coordenadores Pedagógicos: Ludemar Solis Azambuja

Secretaria de Relações de Gênero: Maria do Carmo Souza Drumond

Secretaria de Combate ao Racismo: Leuslania Cruz de Matos

Secretaria da Saúde dos Trabalhadores em Educação: Iara Gutierrez Cuellar

Departamento dos Trabalhadores na Educação no Campo: Luiz Carlos Marques Valejo

Departamento de Educação Infantil: Isabel de Lourdes Lopes Souza Borges

Suplentes da chapa:

1º Suplente: Thereza Cristina Ferreira Pedro

2º Suplente: Alziro dos Reis Ferreira

3º Suplente: Eleci Gonçalves Serra Leite

4º Suplente: Diva Soares da Silva Gaia

5º Suplente: Luzenir Severo dos Santos

6º Suplente: Kátia Cilene Gonçalves Marinho Ramos

7º Suplente: Gand Grosskopff

EDITAL DE HOMOLOGAÇÃO

A Comissão Eleitoral Central homologa e torna pública a eleição para Vice-Presidentes Regionais e seus respectivos suplentes na eleição da Diretoria Estadual da FETEMS, para o quadriênio 2021/2025.

Campo Grande, 17 de junho de 2021.

Regional de Aquidauana

Vice-Presidente Regional: Maria Joaquina da Silva

Suplente: Jeferson de Pádua Melo

Regional de Campo Grande:

Vice-Presidente Regional: Renato Pires de Paula

Suplente: Rosana Aparecida de Carvalho Silva

Regional de Coxim

Vice-Presidente Regional: Mara Núbia dos Santos

Suplente: Mirian Amaral Bonilha Nogueira

Regional de Corumbá

Vice-Presidente Regional: Rosa Maria da Silva

Suplente: Thais Xavier Chalega

Regional de Dourados

Vice-Presidente Regional: Apolinário Candado

Suplente: Ivonei Batista da Silva

Regional de Nova Andradina

Vice-Presidente Regional: Edson Granato

Suplente: Donizetti Soares da Silva

Regional de Naviraí

Vice-Presidente Regional: Márcio Albino

Suplente: Daiana Juriatti

Regional de Três Lagoas

Vice-Presidente Regional: Adriana Paula de Vasconcelos Medeiros

Suplente: Valdenia Aparecida de Almeida

Regional de Ponta Porã

Vice-Presidente Regional: Edivaldo Vieira

Suplente: Joel Aparecido Barbosa

Regional de Amambai

Vice-Presidente Regional: Humberto Vilhalva

Suplente: Valério Lopes

Regional de Tacuru

Vice-Presidente Regional: Elizeu Gomes da Silva

Suplente: Jandir Carlos Dallabrida

Regional de Paranaíba

Vice-Presidente Regional: Ronilson Nogueira Machado

Suplente: Antonio Barbosa da Costa

Regional de Jardim

Vice-Presidente Regional: Odete Mendoza

Suplente: Elder Basso

Regional de Fátima do Sul

Vice-Presidente Regional: Maria do Carmo dos Santos

Suplente: Carlos Alberto Jorge Leite

COMISSÃO ELEITORAL

A ESCOLHA É SUA

A ESCOLHA É SUA 2

Por: Petrônio Filho

Nós, humanos, somos seres dotados de reflexão, ou seja, somos capazes de pensar sobre as nossas atitudes e suas possíveis consequências. Vivemos em um mundo com amplas possibilidades de adquirirmos informações de todos os tipos. Essas duas premissas nos permite diferentes escolhas no caminhar de nossas vidas. 

Todas as religiões, com exceção das correntes radicais, pregam a paz e a busca da igualdade e fraternidade entre os irmãos. O espírito democrático se espalhou pelo mundo após a Revolução Francesa. A evolução humana nos levou a um sentimento de que é necessário que haja justiça social para que diminuam as violências e que a vida comunitária é essencial para nossa sobrevivência. 

Posto isso, perguntamos: – Por que muitas pessoas teimam em agir de forma contrária ao ideal cristão e democrático? Por que existem líderes religiosos e políticos que pregam doutrinas agressivas e preconceituosas se Jesus era contra isso? Por que tantas pessoas acreditam que a violência e o banditismo devem ser combatidos com ações agressivas se os estudos indicam que isso não resolve o problema? Por que estão em uma corrida pelo dinheiro e pelo poder?

Temos nossas escolhas! Elas podem ir à direção de um mundo mais pacífico, mais justo e mais igualitário ou levarmos cada vez mais a um planeta em convulsão. A reflexão nos dá possibilidades de atuarmos em uma direção ou outra. A ganância empresarial e pessoal tem nos levado a uma corrida maluca na busca do tal sucesso pessoal, sem levar em consideração o outro. Muitos acreditam que pelo fato de irem à igreja e rezar, estão salvos! Esquecem o principal: o espírito cristão em sua essência.  

A busca pela paz, pelo fim da pobreza, pela defesa do meio ambiente, do respeito pelas diferenças e pelo amor ao próximo, são necessários para que possamos construir um mundo igual para todos. Para isso, é preciso despimos de preconceitos; que não apoiemos pessoas com ideais contrários aos ideais democráticos; que tenhamos consciência de que não temos como viver em paz em um mundo desigual; que a agressividade trás mais agressividade; que temos que ser solidários e não individualistas.  

Afinal, que mundo queremos? As suas escolhas, as suas atitudes, o seu perfil mental e espiritual é que irão decidir o rumo da sociedade: se é na direção da paz e da igualdade ou se é na direção dos conflitos e das injustiças. Sua escolha é importante!

Professor lança o livro “A presença da Igreja Batista no contexto do desenvolvimento da cidade de Três Lagoas, MT (1920-1940)”

Professor lança o livro “A presença da Igreja Batista no contexto do desenvolvimento da cidade de Três Lagoas, MT (1920-1940)” 3

O Professor Mestre, Ademar Alves da Silva, foi convidado pela editora Dialética para transformar a sua pesquisa de Mestrado em História pela UFGD, de 2009, em formato de livro.

Segundo o autor, o livro “é importante por retratar a história da primeira igreja evangélica fundada na cidade, que iniciou com os Batistas. A igreja é considerada patrimônio histórico do município”. Saiba mais sobre o livro na descrição abaixo.

Descrição:

Este livro trata da implantação, do desenvolvimento e da influência da Igreja Batista na cidade de Três Lagoas, Sul de Mato Grosso, no período de 1920 até 1940. Para contextualizar esse processo específico na sociedade brasileira da época, apresentamos fatos e mentalidades que marcaram a chegada dos primeiros protestantes e dos batistas ao Brasil e ao Mato Grosso, como a perseguição religiosa e a liberdade de culto religioso no país, o protestantismo e os ideais do liberalismo, os batistas perante a luta entre escravagistas e abolicionistas, frente à maçonaria e à dominação das mulheres na sociedade e na congregação religiosa. No âmbito de Três Lagoas, a Igreja Batista acompanha a história do lugar, sendo a primeira igreja protestante do município. Organizada no mesmo ano em que é fundada a cidade, a Igreja Batista se desenvolveu com a cidade, tendo se dado importantes e consolidadoras mudanças nas décadas de 1920 a 1940, tanto na instituição religiosa como na cidade. A influência da Igreja Batista foi marcante nas áreas da educação, saúde e segurança do município.

Sobre o autor:

Ademar Alves da Silva é Mestre em História (UFGD-MS), cursou as disciplinas: Geografia, Trabalho e Meio Ambiente e Dinâmicas Territoriais e a Geografia do Capitalismo, ambas no Doutorado em Geografia pela UFMS-CPTL (https://ppggeografiacptl.ufms.br/), como aluno especial. O referido autor é Especialista em Ensino de História e Geografia e suas Linguagens (UNICESUMAR – PR), Especialista em Ciência das Religiões: Metodologia e Filosofia do Ensino (FIJ – RJ), Especialista em Educação e Gestão Ambiental (UNIVALE – PR). Também tem Licenciatura Plena em Geografia (UNICESUMAR – PR), Pedagogia (UNIGRAN – MS) e em História (UFMS – CPTL). Atualmente é professor da rede pública de ensino. Ou seja, atua como educador nas redes de ensino Municipal e Estadual no Estado de Mato Grosso do Sul. Leciona como professor há mais de 10 anos nas etapas do ensino infantil, fundamental e médio.

Compre o livro pelo link: https://loja.editoradialetica.com/humanidades/a-presenca-da-igreja-batista-no-contexto-do-desenvolvimento-da-cidade-de-tres-lagoas-mt-1920-1940

O SINTED parabeniza o professor Ademar pela grande obra, que contribui para o município de Três Lagoas tanto na Educação, quanto na história.

PRIMEIRA WEB SÉRIE INFANTIL EDUCATIVA DE TRÊS LAGOAS TRANSMITE MENSAGEM SOBRE A PANDEMIA

PRIMEIRA WEB SÉRIE INFANTIL EDUCATIVA DE TRÊS LAGOAS TRANSMITE MENSAGEM SOBRE A PANDEMIA 4

Durante a pandemia, professores tentam se reinventar para garantir um ensino de qualidade durante o isolamento social. Através disso, a professora e atriz Déia Fernandes, iniciou a primeira web série infantil educativa de Três Lagoas, um projeto contemplado pela Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, que inicialmente contava com apresentações teatrais nas unidades de ensino do município, porém, devido ao alto índice de contágio de Covid-19, foi transformado em web série para continuar contribuindo com a mensagem de forma virtual durante a pandemia.

Os três primeiros episódios já estão disponíveis no YouTube e falam sobre a pandemia, retratando as inseguranças da sociedade diante do vírus e fortalecendo a autonomia da criança com a proteção de si mesma e da sociedade a sua volta.  “Mostramos ao espectador a força da criança que ainda não foi corrompida pela sociedade em autodestruição e colocam a esperança num planeta melhor nestes seres, pois os adultos, infelizmente, perderam a pureza e a capacidade de transformar o planeta Terra em um lugar melhor pra se viver”, explica Déia.

A série traz a história de Plaplaf e Tibum, dois personagens vindos de outra dimensão, onde sua missão é resgatar um alienígena que está no planeta Terra, em perigo. Na trama, os personagens procuram os grandes heróis do planeta: “os fabulosos perguntadores de coisas que ninguém quer responder!”.

Você pode assistir aos episódios clicando nos links abaixo:

Episódio 1:

Episódio 2:

Episódio 3 (final):

O SINTED parabeniza a professora Déia pelo incrível projeto, que contribui para uma educação de qualidade em Três Lagoas.

LADEIRA ACIMA, LADEIRA ABAIXO

LADEIRA ACIMA, LADEIRA ABAIXO 5

Por Petrônio Filho

A história humana não é uma linha reta ascendente de desenvolvimento. Ela é uma sinuosidade com ascendência e descendência, onde a primeira representa a evolução social, cultural, política e econômica e a segunda significa o retrocesso disso tudo. 

Durante os anos 40, 50, 60 e até meados dos anos 70 do século passado, o nosso país apresentou altos índices de crescimento e de desenvolvimento. Saímos de uma cultura conservadora para uma inovadora, com novos padrões ideológicos como o movimento yuppie, a tropicália, a bossa nova, a jovem guarda, o rock e outros. 

A partir de meados dos anos 70, entramos em uma crise econômica que aumentou nos anos 80, causando uma profunda crise social que desaguou na queda do regime militar. Apesar da queda da economia, o desenvolvimento cultural seguia forte com o cinema nacional, o rock nacional, a MPB, o samba, o teatro e outras áreas da cultura. Retornaram as grandes mobilizações políticas e a redemocratização. 

Em 1990, Collor toma posse como o primeiro presidente eleito após o fim da ditadura militar. Suas tentativas de melhorar a economia não deram certo e a crise social continuou. Fernando Henrique cria o Plano Cruzado durante o governo de Itamar Franco, equilibrando a nossa economia. Depois, como presidente, cria, com ajuda de Betinho, os planos de ajuda social aos mais pobres. A cultura continua com sua evolução, apesar da força do neoliberalismo adotado por FHC. 

Lula é eleito mediante a crise econômica de 98. Seu governo é marcado pelas obras de cunho social e de recuperação da nossa economia. Sua política externa é marcada pela total independência, estreitando laços com todos os países, principalmente os do chamado Terceiro Mundo. A pobreza diminui e os estudantes da classe humilde chegam às universidades federais. Dilma assume seu lugar e continua com aquelas metas. 

O segundo mandato de Dilma é marcado pela crise econômica mundial. Seguindo os conselhos de seu ministro da fazenda, Guido Mantega, a presidente tenta manter o crescimento do país com medidas que futuramente iriam levar o país ao retrocesso econômico. Trocou o ministro na tentativa de reerguer a nossa economia, mas o Congresso passa a não aprovar as medidas enviadas por ela para provocar mais crise. O resultado foi o seu impeachment. Aqui inicia uma reviravolta na cultura nacional, com o retorno dos ideais conservadores, com Temer no poder.   

A eleição de Bolsonaro representou a ascensão do conservadorismo e da extrema direita. Os ideais de vanguarda são deixados de lado por boa parte da sociedade, influenciada pela mídia. A partir daí o governo passa a retirar toda a estrutura de debates existentes em sua esfera. Conselhos são desestruturados e leis são modificadas. Conquistas sociais e democráticas são retiradas. A educação retorna aos ideais dos anos anteriores à Segunda Guerra Mundial, bem como a cultura oficial. Tudo que foi construído em décadas é jogado no ralo do conservadorismo ideológico. Com isso, entramos na parte descendente da espiral histórica.

O ano de 2022 vem aí. Com ele, a esperança de retornarmos à parte superior da sinuosidade histórica. Basta que a população enxergue o retrocesso vivido por nós neste momento para que ela dê a meia volta na sua escolha política e nos faça retornar à ascendência cultural, política, econômica e social. O ano de 2022 pode representar nosso retorno ao crescimento a ao desenvolvimento em direção a uma sociedade justa de democrática. 

Reajuste ZERO aos servidores em 2021 é TRAPALHADA DO GOVERNO

Reajuste ZERO aos servidores em 2021 é TRAPALHADA DO GOVERNO 6

O anúncio do GOVERNO DO ESTADO de que os servidores estaduais mais um ano não terão sequer a reposição da inflação além de triste é cômico pela forma como ocorreu o referido anúncio.
I- Foi o Governo do Estado que chamou os servidores, por suas entidades de classes, para anunciar que procederia nesse ano a REVISÃO GERAL e em ato contínuo passou a negociar o índice. Se não podia assim proceder não deveria ter chamado ninguém para o que se transformou numa TRAPALHADA institucional, já que teve que se socorrer do prestígio de duas instituições de ESTADO, O MPMS e o TCE/MS.
II- Para tentar arrumar uma desculpa para sua TRAPALHADA, arrumou-se de última hora, 24/05/2021, uma recomendação, mais ATRAPALHADA ainda, subscrita pelo PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO MPMS, PROMOTOR ALEXANDRE MAGNO BENITES e PRESIDENTE DO TCE/MS, CONSELHEIRO IRAN COELHO DAS NEVES, quando a notícia de reajuste ZERO já havia sido informada há dias (muito antes de propalada recomendação).
III-A referida recomendação foi um socorro INDEVIDO e ILEGAL prestado pelas duas autoridades de Estado ao governo TRAPALHÃO. 
IV-Não há no MP/PGJ nenhum procedimento tratando sobre eventual REVISÃO GERAL aos servidores estaduais (Procedimento Preliminar/Preparatório, Notícia Fato ou Inquérito Civil). Logo o PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO MP-PROMOTOR ALEXANDRE MAGNO BENITES, acabou por prestar uma CONSULTORIA INDEVIDA ao poder executivo. Indevida porque a CF em seu artigo 129 veda que o MP preste consultoria a qualquer órgão público. Tudo que não precisamos é de um MP agindo como linha auxiliar de governo algum.
V- O TCE/MS por seu turno até pode prestar CONSULTORIA aos órgãos públicos, todavia mediante procedimento devidamente instruído denominado CONSULTA, segundo sua Lei Orgânica e Regimento Interno. 
Segundo a Lei Orgânica e Regimento Interno do TCE/MS, a referida CONSULTA, quando cabível, é respondida mediante votação de seu PLENÁRIO, jamais por ato monocrático e de ofício como acabou por fazer o PRESIDENTE DO TCE/MS- CONSELHEIRO IRAN COELHO DAS NEVES. O PRESIDENTE DO TCE/MS sabe disso. Ao TCE/MS cabe cumprir as formalidades que exige de seus jurisdicionados.
VI- A FETEMS entende ao contrário da malfada consultoria da PGJ/MP e Presidência do TCE/MS, já que a LC 173/2020 não pode vedar o instituto da REVISÃO GERAL, já que a referida revisão está prevista na Carta Magna, logo não pode uma norma inferior restringir o que a norma superior (CF) garantiu.

VI-Enfim (com a graciosa e indevida ajuda da PGJ/MS e Presidência do TCE/MS) por mais um ano os servidores estaduais vão amargar mais um ano sem reposição alguma.  
VII-Infelizmente, dessa vez, com a ajuda INDEVIDA e ILEGAL de dirigentes de instituições de Estado PERMANENTES, que jamais deveriam se prestar a cumprirem um papel de LINHA AUXILIAR de GOVERNO TRANSITÓRIO.
X- Portanto, a FETEMS continuará na luta pela valorização da educação pública e seus servidores, denunciando o descaso, o desmando, a inversão de prioridades e acreditando sempre que a transitoriedade de governos não deva contaminar a estabilidade das instituições de Estado, que é requisito basilar do estado democrático e de direito.

FETEMS

[ARTIGO] O BRINCAR E SUA IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

[ARTIGO] O BRINCAR E SUA IMPORTÂNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 8

Uma pesquisa de Welton Rodrigues De Souza, Sandra Regina Nóia Mina, Roberta Kely Almeida Caparró Volpato e Adailson Silva Moreira.

O artigo foi publicado no South Florida Publishing.

RESUMO

Entender as transformações pelas quais passa a educação hoje é papel do professor, do aluno e de toda a sociedade; também é fundamental saber a importância da escola e a sua função para que o processo de ensino e aprendizagem possa ser melhorado de forma efetiva; porém, não se pode esquecer, sobretudo, que é um desafio para os professores que desejam construir metodologias e estratégias que concretize o aprendizado e as formas educacionais. Assim, o ato de brincar pode ser um excelente meio incentivador de auxílio a aprendizagens, destacando a importância do jogo e da ludicidade, onde o indivíduo aprende a aceitar regras, esperar sua vez, aceitar o resultado, lidar com frustrações, experimentar, descobrir, inventar, além de ter estimulada a curiosidade, a autoconfiança, a autonomia, proporcionando o desenvolvimento da linguagem, do pensamento, da concentração, e de ser um momento de auto expressão e realização. O presente artigo visa estudar e analisar a importância do brincar na educação infantil, como pratica pedagógica nos primeiros anos de ensino. Utilizou-se como metodologia a pesquisa bibliográfica de cunho qualitativa, a partir de referenciais bibliográficos na concepção de autores para observar o quanto a ludicidade será útil como recurso pedagógico na educação infantil. O brincar na escola é um instrumento a favor do professor para trabalhar com os conteúdos de forma lúdica em que a criança assimila com maior facilidade o que é ensinado, contribuindo para seu desenvolvimento integral a fim de facilitar seu processo de aprendizagem.

Leia o artigo completo clicando no link: https://southfloridapublishing.com/dev2021/proceedings/index.php?t=TC2021021368513

Welton Rodrigues de Souza é filiado ao SINTED, Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – UEMS/Paranaíba. Professor na Escola Municipal Presidente Médici.

Sandra Regina Nóia Mina é filiada ao SINTED, Mestre em Linguística pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Professora na Escola Municipal Presidente Médici.

Roberta Kely Almeida Caparró Volpato é filiada ao SINTED, Mestranda em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Professora Escola Municipal Presidente Médici.

Adailson Silva Moreira é Doutor em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Instituição: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS-CPTL).

População pode ficar sem serviços gratuitos com reforma Administrativa. Entenda

População pode ficar sem serviços gratuitos com reforma Administrativa. Entenda 9

A reforma Administrativa, ao contrário do que muitos pensam quando dizem ‘e eu com isso?’ não é um problema apenas do servidor público. Se a Proposta de Emenda à Constituição (PEC n° 32) for aprovada pelo Congresso Nacional do jeito que o governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) quer, quem mais vai perder é a população brasileira que será afetada diretamente no bolso ao perder direitos conquistados com muita luta.

O objetivo da reforma não é “modernização”, como diz o ministro da Economia, Paulo Guedes. A reforma Administrativa é o desmonte do serviço público para que, sem pressão da sociedade, o governo passe para a iniciativa privada tudo que hoje é gratuito, como a educação, a saúde, a previdência, a segurança, as estatais e os órgãos de controle que fiscalizam o próprio governo.

Os argumentos do governo são mais mentiras de Bolsonaro e sua equipe para enganar o povo e retirar, sem resistência, direitos que toda a população tem à educação e saúde de qualidade, sejam das classes A, B, C ou D/E.

Se a PEC 32 for aprovada, o serviço público vai atuar na “sobra do mercado”, ou seja, só vai ser público o que a iniciativa privada não quiser porque não dá lucro. Até a segurança pública pode ser entregue a entes privados e há “risco iminente de terceirização e extinção das guardas municipais em todo o País”, alertou a diretora jurídica da Federação Nacional de Sindicatos de Guardas Municipais do Brasil, Rejane Soldani Sobreiro, em audiência pública, segundo a Agência Câmara.

O governo Bolsonaro não quer acabar com os “marajás”, senão não aumentaria em até 69% os salários dele, do vice-presidente e de militares do primeiro escalão.

Leia mais: Bolsonaro aumenta o próprio salário e o de marajás do alto escalão. Aumentos podem ser de até 69%

Risco para quem faz concurso

O que Bolsonaro e sua equipe querem é tirar a estabilidade do emprego para poder demitir quem fez concurso e tem garantia de investigar, multar e punir quem fizer ilegalidades e assim abrir espaço para abrigar os “apadrinhados” políticos, loteando as instituições que oferecerão cada vez mais serviços ruins. Com o desmonte, a própria população vai acabar achando que como não funcionam, não são necessários.

Sobre os perigos do fim da estabilidade dos servidores, o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) publicou uma nota técnica em que detalha os impactos da reforma Administrativa.

Leia Mais: Reforma Administrativa privatiza o serviço público e abre espaço para corrupção

A reforma Administrativa é uma carta branca para Bolsonaro fazer o que bem entender, fechando autarquias, universidades, instituições, centros de pesquisas, como o Ibama, a Fiocruz, entre tantos outras, que a pandemia e as queimadas na Amazônia já demonstraram que são necessárias para proteger a nossa saúde e o meio ambiente.

O assessor jurídico do PT no Senado, Marcos Rogério de Souza, especialista em Direito Administrativo e Previdenciário, que vem acompanhando os debates sobre a reforma Administrativa, listou a pedido do Portal CUT, os itens mais prejudiciais para a população brasileira.

– permite que o governo privatize todo e qualquer serviço público

A reforma Administrativa permite privatizar todo e quaisquer serviços públicos, incluindo estatais.

“Quem tem dinheiro usufrui, que não tem dinheiro fica sem atendimento”, – Marcos Rogério de Souza

– permite privatizar o atendimento a saúde pública, o SUS, a saúde pública

A pandemia demonstrou a importância do SUS. A reforma pode acabar com o atendimento gratuito nos hospitais e postos de saúde.

– permite cobrar por vacinas

Ao privatizar a saúde pública, o governo Bolsonaro pode impedir que todos tenham acesso à vacina gratuita, seja a gripe, a Covid-19, sarampo e outras doenças, por exemplo.

– permite cobrar mensalidades e taxas na educação

Com o fim da obrigatoriedade de ter servidor concursado em escolas, a administração das unidades de educação passa para as mãos de sistemas de ensino particulares, que podem cobrar taxas e mensalidades dos estudantes. Isto pode ocorrer do ensino fundamental ao superior, afetando todo o sistema educacional do país.

“ A reforma prevê a privatização da gestão de equipamentos que hoje são geridas por um diretor ou assistente concursado. Essa gestão será privatizada e pode haver cobrança de serviços tanto da educação como de outras áreas.

– aumento de tempo na espera da aposentadoria e benefícios do INSS

A PEC prevê a redução de jornada de trabalho e dos salários dos servidores, o que vai diminuir o número de profissionais no atendimento à população.

“Se o INSS, por exemplo, tiver 10 mil servidores que trabalham oito horas diárias, a redução de jornada e salários em 25% vai diminuir este contingente para 7.500. Se já há uma lista de 1,5 milhão de pessoas esperando pela aposentadoria, ou por um benefício, esta espera irá ser muito maior, porque não terá servidor suficiente para atender a população”, alerta Marcos.

“A reforma prevê a redução drástica de servidores concursados e vai atingir todos os setores que atendem gratuitamente a população. As empresas do setor privado estão interessadas nesta reforma porque vão poder vender mais , vender o que hoje é de graça para todos”  – Marcos Rogério de Souza

– permite acabar com autarquias e fundações

O Ibama, a Anvisa, o IBGE, a Fiocruz e até universidades federais poderão ser extintas como uma só canetada de Jair Bolsonaro. Além da perda de milhares de empregos num momento de crise econômica e sanitária, o país ficará à mercê de estudos estrangeiros, sem verbas para pesquisas científicas, deixando os brasileiros e brasileiras cada vez mais dependentes de remédios e insumos de outros países.

O fim do IBGE, por exemplo, significa o fim de pesquisas econômicas e sociais que norteiam as políticas públicas governamentais. O país ficará cego, sem saber que rumo tomar.

Desmonte do serviço público em andamento

Esta pauta privatista já começa a ser colocada em prática com a leitura do texto do relator da reforma Administrativa , o deputado Darci de Matos (PSD-SC), na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara, que protocolou seu parecer aprovando a proposta, com a retirada de apenas dois itens propostos pelo governo federal.

A leitura do seu parecer estava marcada para esta tarde de segunda-feira (17), mas após um pedido de vistas de um integrante da CCJ, a análise da proposta foi adiada por mais duas sessões.

O que se sabe até o momento é que o relator retirou dois itens da reforma, o que proíbe o servidor público ter outro trabalho, mesmo não remunerado, como músico, por exemplo, e o que autoriza Bolsonaro a fechar autarquias e fundações. Mas isto não quer dizer que durante a votação esses itens não possam ser recolocados por aliados do governo.

Como pressionar o Congresso pelo “Não à reforma Administrativa”

O site ‘Na Pressão” oferece de forma simples e organizada a lista dos parlamentares contrários, a favor e indecisos sobre a reforma Administrativa. De maneira simples e fácil, você pode enviar e-mails, telefonar ou enviar mensagens via whatsAPP, Facebook e Twitter para o parlamentar. É só seguir o passo a passo que está na página e pressionar o parlamentar para que ele diga não à reforma Administrativa.

Clique aqui.

(CUT Brasil, 17/05/2021, Rosely Rocha com edição de Marize Muniz)

CAMPANHA Jornal Mural – “A COVID-19 e a covardia contra a LGBTQIA+”

CAMPANHA Jornal Mural - “A COVID-19 e a covardia contra a LGBTQIA+” 10

“A COVID-19 e a covardia contra a LGBTQIA+” é o tema da campanha da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) pelo Dia Nacional e Internacional de Luta Contra a LGBTfobia – 2021.

A data foi criada em 2004 para combater o preconceito contra homossexuais. Atualmente essa celebração inclui a defesa dos direitos e inclusão de pessoas de diversas orientações sexuais e identidades de gênero – Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Queer, Intersexo, Assexual e outros grupos e variações de sexualidade e gênero – LGBTQIA+.

Durante a pandemia, a CNTE vem recebendo muitos relatos de opressão de estudantes e profissionais da educação LGBTQUIA+ que não encontram segurança em suas próprias casas ou no relacionamento on-line, pelas aulas remotas. Seja qual for o ambiente, a Confederação segue lutando para promover o respeito não só em datas comemorativas, mas ao longo de todo o processo educativo, quebrando o ciclo de violências.

jornal mural maio 2021 educacao sem lgbtfobia final site

>> Acesse o jornal mural para impressão em gráfica

“Nossa luta é para que todos os profissionais da educação sejam vacinados”, diz presidente do SINTED

“Nossa luta é para que todos os profissionais da educação sejam vacinados”, diz presidente do SINTED 11

Nos últimos dias, os dois primeiros grupos de trabalhadores da educação foram vacinados contra a covid-19 no município de Três Lagoas, sendo o primeiro grupo para maiores de 55 anos e o segundo, maiores de 50 anos. Apesar do avanço, a presidente do SINTED, professora Maria Diogo, afirma em entrevista para a Rádio Difusora, na manhã desta quinta-feira (13), que “o retorno das aulas presenciais ou híbridas só será seguro após a segunda dose da vacina de todos os profissionais da educação”.

A presidente ressalta que poucos educadores foram vacinados e que a grande maioria ainda espera pela primeira dose da vacina. “Ainda temos vários profissionais contaminados, internados e nas UTIs. Perdemos em torno de sete a oito profissionais nas duas redes aqui em Três Lagoas, entre administrativos e professores. Então ainda não acabou, precisamos vacinar todos”.

Maria Diogo fala sobre a defasagem escolar, que é um problema mundial durante a pandemia, porém ressalta que vidas são mais importantes. “Não é fácil, só que eu vejo que as pessoas se preocupam muito com essa questão [do retorno presencial], mas não se preocupam com as vidas perdidas”.

“Um dos maiores sonhos dos trabalhadores da educação é retornar a realidade. Poder estar em sala de aula, ter carinho, afeto e trocas com os alunos. E, sobretudo, fazer o que sempre fizeram: o ensino aprendizagem”, finaliza presidente.

#EssaLutaédeTodos#VacinaJá#TrabalhadoresdaEducaçãoImunizados