Filiado à

SINTED DE TRÊS LAGOAS E SELVÍRIA DENUNCIA A FALTA DE SENSIBILIDADE DA PREFEITURA MUNICIPAL NESTE MOMENTO DE PANDEMIA 1

SINTED DE TRÊS LAGOAS E SELVÍRIA DENUNCIA A FALTA DE SENSIBILIDADE DA PREFEITURA MUNICIPAL NESTE MOMENTO DE PANDEMIA

Na contramão das organizações de saúde, poder público municipal mantém aulas presenciais e coloca em risco a vida dos trabalhadores da educação, alunos e familiares.

Para conter o avanço da pandemia da Covid-19 em Mato Grosso do Sul, o governo do estado publicou um decreto nesta quarta-feira (10/3) com medidas mais restritivas. A medida prorroga a suspensão das aulas presenciais nas unidades escolares e nos Centros da Rede Estadual de Ensino de MS e recomenda aos municípios a adoção da mesma medida.

A todo o momento é anunciado pela imprensa que o estado está em alerta vermelho, os hospitais estão lotados e que há fila para as UTIs, mas em Três Lagoas parece que o prefeito está vivendo em outro mundo, que não é o nosso, pois continua insistindo no erro de manter as aulas presenciais nas unidades de ensino.

O SINTED já recebeu diversas denúncias de casos de contaminação com o retorno das aulas presenciais no modo híbrido. Nós estamos com medo, não só pelos trabalhadores da educação, mas por toda a comunidade escolar.

Em Mato Grosso do Sul, só nesta última quinta-feira (11/3), tivemos 191.326 casos, diariamente têm sido cerca de 930 novos casos. Até o momento, são 3.537 óbitos. Na nossa Três Lagoas, já são 7.113 casos, só nesta quinta foram mais 70 confirmados, que representam um crescimento +1,0%. Para todas as organizações de saúde, estamos em uma curva crescente de contaminação e em estado de alerta total.

Suplicamos que o poder público municipal tenha piedade da nossa categoria e das famílias, pois os órgãos públicos municipais estão funcionando parcialmente com regras restritivas para evitar o contágio na Prefeitura e Câmara. Se os órgãos institucionais estão cumprindo à risca medidas restritivas, inclusive com fila para entrada individual no prédio da prefeitura para evitar aglomerações, por que nossas escolas e centros de educação infantil continuam abertos? É no mínimo contraditório e ressalta que há dois pesos e duas medidas para a educação.

Como um professor vai garantir que crianças sigam integralmente os protocolos de biossegurança? Permanecer de máscara? Manter distanciamento dos amigos de sala de aula? Como os administrativos vão higienizar os espaços escolares a cada duas horas, se não temos funcionários suficientes para tal operacionalização? Vale destacar que há um déficit de professores regentes e de disciplinas específicas para atender a demanda de alunos matriculados na rede.  Vão contratar quando?

E, por fim, as organizações de saúde já disseram que as crianças podem ser assintomáticas e, mesmo assim, transmitirem o vírus para seus pais, avós e todas as pessoas que tiverem contato. Tanto é verídica essa premissa que, membros de Comitê de Enfrentamento à COVID-19 de Três Lagoas reiteraram na reunião, ocorrida no dia 11/03, que “É necessário sensibilizar os profissionais de saúde para aumentaram a testagem do vírus em crianças, visto que há novas evidências no Brasil da COVID-19 pediátrica”.

Nossa vida está em risco e já tentamos pelo diálogo mudar essa realidade com o poder público municipal e o mesmo continua irredutível em sua decisão.

Queremos vacina, queremos sobreviver e queremos retomar nossa ROTINA com SEGURANÇA!

ENSINO REMOTO JÁ COM REVEZAMENTO PARA ADMINISTRATIVOS!

Deixe um comentário